A Ordem Internacional Teutônica dos Cavaleiros Templários

OITCT

 

 Você que esta se perguntando sobre a afiliação em nosso seio; Independente de Cor, credo, e sexo.

Estamos a procura de pessoas interessadas     em evoluir como seres humanos, dentro dos aspectos filosóficos e intelectuais dentro de nossas fileiras.

 

 

Entre!

 

Deixa o mundo lá fora.

 

O tempo separa-nos ,mas a memória une-nos.  Talvez por força do destino.

 

Enquanto aqui estás, estamos vivos... Em troca damos-te a visão do nosso tempo. ...para recordares....

Onde houver ódio, que eu leve o amor;

onde houver discórdia, que eu leve a união;

onde houver dúvida, que eu leve a fé;

onde houver erro, que eu leve a verdade;

 onde houver ofensa, que eu leve o perdão;

onde houver desespero,que eu leve a esperança;

onde houver tristeza, que eu leve a alegria;

onde houver trevas, que eu leve a luz.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Durante a primeira Era Templária os mentores da ORDEM desenvolveram um Projeto que se destinava a tornar

o mundo mais justo. Mais humano. Um Projeto que partilharam com a Ordem geral.

 

Sonharam ser possível reunir, numa grande fraternidade, as três religiões principais (judaica, cristã e islâmica) e alcançar com essa

união uma paz duradoura. Para o progresso da humanidade.

 

Para isso teriam de alcançar um poder tal, que lhes permitisse derrubar o sistema feudal e acabar com a hegemonia de Roma.

 

Teriam de avançar com extremo cuidado e, em completo segredo, jogar pelas mesmas regras do adversário.

 

Para tal, iriam ser Cavaleiros imprescindíveis de reis. Monges exclusivos de papas.

Tentariam aos poucos mudar a sociedade da época. Torná-la mais justa, mais humana, culturalmente evoluída e livre das amarras

 dos poderes dominantes. Uma sociedade em que o indivíduo fosse valorizado pela "arte do Bem-Fazer".

 

Tornaram-se a mais formidável máquina de guerra, construíram fortalezas, sob a proteção das quais, ajudaram a crescer

comunidades inteiras. Tomaram à sua guarda, sob absoluta confiança, a riqueza de particulares, da realeza e até do clero, que

administraram com maestria. 

 

Mas a reação a esta potência que emergia em plena época medieval e aos seus ideais foi brutal. Na França, sede da Ordem geral,

 o poder real, que manipulava já o religioso, lança uma campanha mórbida que iria fulminar a Irmandade Templária.

O papa, refém, iria suspendê-los. Nunca mais se ergueriam. 

 

Os Templários Teutônicos apesar da sua existência discreta decidiram em Capítulo Geral abrir uma janela de comunicação a fim

de partilhar o Projeto Templário com todos os interessados.

 

A Ordem Internacional Teutônica Dos Cavaleiros Templários têm a sua própria concepção histórica da Ordem do Templo,

 alicerçada na vasta documentação herdada e nas muitas Crônicas, entretanto recuperadas.

 

O seu espólio histórico, assim como os seus registros atuais (com mais de cem anos) encontram-se guardados em lugar secreto

 por questões de segurança.

Pelo mesmo motivo, a localização exata da sua sede é do conhecimento restrito dos Cavaleiros mais antigos da ORDEM.

 

 

 

 

 

 

 

A Ordem Internacional Teutônica Dos Cavaleiros Templários não é um clube ou associação é uma Irmandade que observa

os princípios da humildade, partilha entre ajuda e humanismo. Os seus recursos provêm, tal como no passado,

do trabalho de cada um,  dos preciosos donativos de alguns e da boa vontade e empenho de todos.

A Ordem Internacional Teutônica Dos Cavaleiros Templários, tal como no passado, continuam a ser uma Ordem autônoma.

 

Não têm, atualmente, obediência ou qualquer relação direta com nenhuma organização de cariz político, religioso ou filosófico.

 

A Ordem Internacional Teutônica Dos Cavaleiros Templários não se mostram publicamente enquanto Cavaleiros da Ordem.

As suas cerimônias são privadas e não lhes são dadas qualquer tipo de publicidade.

 

Só um Templário Teutônico pode propor a entrada de um novo Irmão para o seio da Ordem, assumindo o seu apadrinhamento.

 

A Ordem Internacional Teutônica Dos Cavaleiros Templários regem-se por Regra própria (Secretum Regula),

pelos seus Estatutos e pelos seus Códigos de Honra e Disciplina.

 

Uma vez mais, resta a ORDEM que se mantém oculta.

  

A que acalenta prosseguir o velho Projeto.

 

A que hoje propõe a todos os Irmãos o ressurgir da Cavalaria Espiritual e o renovar do Templo.

 

    Onde a memória dos antigos seja respeitada. 

Onde a sagrada terra Brasileira seja venerada 

Onde a natureza seja usada com sabedoria. 

 Onde o conhecimento seja livremente partilhado. 

Onde se observem os valores morais, entre eles a honra e o respeito. 

Onde não haja ganância e desprezo pelos necessitados.

Onde todos possam ter o direito ao essencial para o dia-a-dia.

Onde impere a entre ajuda, o amor, o carinho pelos mais fracos.

 Onde todos se vejam como Irmãos e vivam em Paz.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em resumo, os Templários Teutônicos prevêem no seu Projeto,

 

O retorno à Tradição reatar da ligação à Terra e a sua utilização equilibrada, o renascer das antigas Profissões, o redescobrir

dos segredos da Natureza e o seu poder curativo, a retoma dos bons Usos e Costume sem prejuízo do bem estar atual, a proteção

 do Patrimônio cultural e monumental, a educação saudável dos mais Jovens, o acesso livre ao saber, o incentivo à descoberta e

 à realização pessoal, o respeito e carinho pelos mais Velhos, o empenho na recuperação desta velha Nação.

 

“Um segredo, encerrado para sempre, torna-se esquecimento. Deve ser passada sempre, a quem o saiba manter,

 como... um segredo”.

 

 

Nenhum homem, por melhor que seja, poderá ser recebido na Ordem Internacional Teutônica Dos Cavaleiros Templários,

sem o consentimento de todos os Cavaleiros. Se alguém fosse imposto à Maçonaria, poderia ali causar desarmonia,

ou perturbar a liberdade dos demais, o que sempre deve ser evitado.

 

 

 

A aceitação do pedido de ingresso na Ordem depende bastante da declaração de motivos do candidato.

A Ordem espera que o candidato seja sincero perante sua própria consciência, quando do

preenchimento da proposta de admissão.

 

Quando alguém se candidata a ingressar na Ordem Internacional Teutônica Dos Cavaleiros Templários, é verificado

em sindicância se dispõe de ganhos pecuniários que permitam cumprir os compromissos Templários, sem sacrificar a família. 

  Vale dizer que ninguém poderá entrar para a Ordem Internacional Teutônica Dos Cavaleiros Templários sem

que cumpra estes quesitos.

 

É óbvio que, ao se iniciar na Ordem Internacional Teutônica Dos Cavaleiros Templários, o indivíduo deverá assumir compromissos

derivados de participação engajada e responsável nas lides Templários. Entre os compromissos e responsabilidades, encontram-se

 aqueles de estudar, com mente aberta, as instruções Templárias, bem como, o de considerar denso sigilo sobre os ensinamentos

recebidos e contribuir pecuniariamente para a manutenção de sua Obediência. Os compromissos e responsabilidades,

 propósito, são do mesmo gênero daquelas encontradas em qualquer associação humana. 

É fato inconteste que uma das finalidades da Ordem é a de implantar sistematicamente na sociedade humana uma

efetiva fraternidade entre os homens.

 

 

 

 

 

 

O Candidato deve, portanto, identificar-se com os aspectos a seguir:

 

Legal:

 

- ser emancipado e ter completado 18 anos antes da cerimônia de Iniciação;

- se dependente pecuniariamente, obter anuência dos tutores ou genitores;

- ser um íntegro, ligado e atualizado em relação ao seu tempo;

- ser empreendedor e capaz de assumir responsabilidades;

- ter emprego, residência e domicílio fixos, no Oriente (estado, município) pleiteado;

suas atividades profissionais devem ser lícitas, não importando o metier;

- esperar encontrar na Ordem Internacional Teutônica Dos Cavaleiros Templários, homens livres,

de bons costumes, capazes de realizar obras poderosas em benefício da Humanidade, da Pátria e da Família;

 

Doutrinário: 

 - ter religiosidade, melhor do que religião;

- crer em Deus, acima de tudo;

- ter uma ideia clara da virtude e do vício, adotando aquela e rejeitando este;

- estar apto a apreender conhecimentos litúrgicos e filosóficos;

- distinguir entre religião e Templarismo;

- ser respeitado na Iniciação, não só pelas características esotéricas, exotéricas e metafísicas do evento, como pelo significado

simbólico trazido pelas nossas tradições e regularidade;

Prático: 

- apresentar bons costumes;

- ter boa família;

- seguir as leis; 

Metafísico: 

- ser receptivo às ideias;

- estar ideologicamente alinhado com a ideia de Deus; 

Da tradição: 

- estar apto; ou pronto, disposto e capacitado, "Sponte Sua"; 

Iniciático: 

- creditar respeito ao processo;

- manter o espírito receptivo (“nada lhe será cobrado; tudo lhe será dado”);

 

 

 

 

 

 

 

Sejam bem vindos

 

          

 

 

Non nobis, Domine, non nobis, sed Nomini Tuo ad Gloriam

 

www.ot.org.br

www.oitct.org.br